Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
8/12/16 às 16h03 - Atualizado em 29/10/18 às 15h55

DF ganha novo mapa hidrográfico

Correio Braziliense

 

Brasília (08/12/2016) – A Secretaria do Meio Ambiente (Sema) lançou ontem o novo mapa hidrográfico do Distrito Federal, com o desenho das oito bacias e de todas as unidades da região, o que representa cerca de 700 rios/córregos com suas toponímias oficiais. “Trata-se de um instrumento básico para a gestão da água de Brasília”, explicou a gestora de políticas públicas da secretaria, Irene Mesquita.

 

Apenas dois trechos estão na classe quatro, que significa imprópria para o consumo de água. Segundo Irene, a avaliação da água foi estabelecida de acordo com cinco classes – especial, um, dois, três e quatro – , em que, no crescente, vai indicando perda de qualidade.

 

Todo o rio Melchior, em Samambaia, por exemplo, está comprometido, além do córrego Estiva, também conhecido como Vargem da Bênção, até o curso d’água Capoeira Grande, no Recanto das Emas. Eles estão na classe quatro. O restante das bacias entraram na classe dois. “Isso ocorre porque esses dois cursos de água recebem significativos efluentes oriundos das estações de esgoto”, afirma a gestora.

 

O mapa, que não era atualizado desde 2006, foi feito na escala de redução de 1 para 115.000. Os técnicos tiveram por critério cobrir o máximo possível do território na elaboração do estudo, de acordo com Irene Mesquita. A versão digital ficará disponível na página da Sema a partir de amanhã. Foram produzidos 2.500 exemplares, impressos nos dois versos. Eles serão distribuidos prioritariamente aos órgãos públicos que trabalham com a água no DF.

 

O mapa mostra a diversidade de nascentes, a estrutura geológica, como também a vegetação dominante. E informa, em seu verso, que esses cursos d’água constituem-se “em um berço das águas, uma região de cabeceiras que abrange divisores de três grandes regiões hidrográficas brasileiras”.

 

O trabalho foi coordenado pela equipe técnica do Zoneamento Ecológico-Econômico (ZEE) e pelo Conselho de Recursos Hídricos (CRH). “O ZEE se deparou com a situação de não ter uma base hidrográfica comum para realizar um melhor diagnóstico da situação da água em Brasília”, conta a gestora.

 

O CRH também identificou a necessidade de atualização, quando começou a estudar o enquadramento dos corpos d’água do DF – o critério adotado pela Agência Nacional de Águas (ANA) para definir usos e qualidade dos mananciais. A base hidrográfica comum é importante porque todas as instituições poderão usar o mesmo mapa, explica Irene. “A importância dessa publicação é que ela já está revisada com os nomes dos cursos d’água”, destacou a gestora. As organizações terão até 2030 para se adequarem à utilização do novo mapa.

 

Nota da Ascom (Sema): Diferentemente do que informou o Correio Braziliense, o lançamento do Mapa Hidrográfico 2016 do DF ocorrerá hoje à tarde no Centro de Excelência Cerratenses, no Jardim Botânico de Brasília.

Zoneamento Ecológico-Econômico do Distrito Federal - Governo do Distrito Federal

ZEE-DF